A dinâmica da Igreja Missionária

INTRODUÇÃO  – Atos dos Apóstolos 13.1-3.

“O Espírito de Cristo é o espírito de missões, e quanto mais nos aproximamos de Cristo, mais intensamente missionários devemos nos tornar”.

Alguém já disse que “missões está no coração de Deus”, e nós – como igreja do Senhor, temos negligenciado está tarefa crucial para uma evangelização eficaz.

Caímos num erro fatal quando pensamos em missões apenas como uma programação específica no calendário da igreja. Erramos ainda mais quando transferimos a responsabilidade de evangelizar apenas para os obreiros da igreja. Nosso erro se estende quando limitamos nossas ações missionárias apenas a entrega de panfletos, cestas básicas e corte de cabelo (isto é suficiente para anunciar e publicar nas redes sociais).

Quando olhamos para o livro de Atos, podemos perceber o que de fato significa ação missionária, ao olharmos para a igreja primitiva. Está igreja teve seu inicio alicerçado no principio fiel de que, ao se colocarem como anunciadores do evangelho do Reino de Deus precisavam viver de forma plena, para a glória de Deus.

Meditando no livro de Atos dos apóstolos encontramos exemplos suficientes para conhecer, aprender e praticar uma dinâmica que consiste em “estilo de vida” de uma igreja missionária. Desta forma, ao pensarmos no “chamado missionário”, logo associaremos ao que vivemos como igreja do Senhor, pois está é a grande tarefa da igreja de Jesus – viver a missão de testemunhar da obra de Cristo para o mundo, ao começar por nós mesmo.

Os primeiros doze capítulos do livro de Atos tratam da perspectiva missionária da igreja sob a representatividade do apóstolo Pedro; onde, o que está em jogo é a preparação da igreja para a expansão da evangelização.

Os próximos capítulos, a partir dos treze, o autor Dr. Lucas, apresenta uma nova etapa da igreja no que diz respeito à expansão do evangelho por meio de pessoas chamadas especificamente para a missão, sem que a igreja deixe de viver esta dinâmica missionária como estilo de vida.

Para compreendermos melhor o estilo de vida de uma igreja missionária e sua contribuição para o preparo e envio de pessoas vocacionadas para a missão evangelizadora, é preciso olhar para a maneira de como a igreja de Antioquia cumpria este papel.

UMA IGREJA MISSIONÁRIA É ALICERÇADA NA PALAVRA DE DEUS [v. 1]

Uma centralidade que podemos identificar na narrativa de Lucas quanto ao livro de Atos, é a proclamação fiel das Sagradas Escrituras. Desde o início da igreja primitiva se percebe uma ênfase na proclamação dos decretos de Deus.

Lucas diz que os primeiros cristãos “perseveravam na doutrina dos apóstolos” [At 2.42]. Esta verdade é conhecida desde a manifestação do Espírito Santo no dia de Pentecostes quando Pedro expõe as Escrituras para explicar o que de fato estava acontecendo com aqueles irmãos que estavam sendo comparados a “pessoas embriagadas”. Foi necessário que Pedro se levantasse de entre os demais, para então, proclamar o evangelho em sua centralidade – Jesus Cristo.

Os cristãos em Antioquia formataram um estilo de vida missional quando passaram a ouvir o evangelho regularmente pregado, receberam instruções na fé, nomearam líderes da igreja e implementaram sua visão de missões para o mundo.

Desde então, é anunciado a Palavra de Deus. Podemos ver essa continuidade na vida ministerial da igreja em Antioquia. O texto nos diz que “Havia na igreja de Antioquia profetas e mestres”.

O ministério de profecia, segundo o Novo testamento, diz respeito à proclamação dos decretos inspirados por Deus nas Escrituras Sagradas – um porta-voz de Deus. Enquanto que mestres era alguém qualificado para ensinar a respeito de Deus e sua pessoa.

Lucas menciona o nome de cinco líderes responsáveis pela educação bíblica dos cristãos na igreja em Antioquia. Ficava sobre esses lideres a responsabilidade de pronunciar os decretos do Rei.

Esta igreja não teve um crescimento diferente da igreja em Jerusalém. Ela também estava firmada na Palavra de Deus como fonte de iluminação para suas ações missionárias e evangelísticas.

UMA IGREJA MISSIONÁRIA TEM LÍDERES COMPROMETIDOS COM A OBRA E SENHOR DA OBRA [v.2].

Outra característica desta igreja era o seu estilo de vida missional. No evangelho de Mateus 9.38 temos o pedido de Jesus aos seus discípulos para que rogassem ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.

O texto diz que os líderes desta igreja, 1) Serviam ao Senhor e, 2) jejuavam. Isto explica de o “por que” de estarem sensíveis à voz do Espírito Santo. Estes homens serviam ao Senhor cada vez que lhes prestava culto; e, ficavam sensíveis à voz do Espírito Santo a cada vez que jejuavam, pois o jejum nos permite uma santificação que nos possibilita uma vida com Deus. O jejum é o melhor método para dedicarmos nossas vidas a Deus.

A igreja de Antioquia talvez estivesse rogando ao Senhor para que mandasse trabalhadores para a sua seara. O texto diz que eles estavam “servindo” ao Senhor e jejuando; e de imediato houve uma resposta do Senhor.

Precisamos observar uma coisa importante sobre a dinâmica missionaria da igreja. É fato que a seara precisa de ‘trabalhadores’. Assim como também é fato que há ‘falta de trabalhadores’. Mas, Jesus ensina um princípio importante para seus discípulos e que essa igreja aprendeu: Rogar ao Senhor da seara para que envie trabalhadores para a sua seara.

Alguns pontos são importantes serem destacados aqui: 1) A seara é do Senhor; 2) Quem recruta os trabalhadores é o Senhor. Tem muita gente se aproveitando da necessidade de trabalhadores na seara e se convidando para ser esse trabalhador. Quem foi que disse que esse cargo pode ser preenchido por qualquer pessoa? Veja que nesta igreja (Antioquia) havia cinco “profetas e mestres”; aos nossos olhos eram pessoas completamente preparadas para tal tarefa. Mas, apenas dois foram escolhidos e separados para tal tarefa.

Não cabe a nós sair enviando qualquer pessoa para o mundo com o intuito de evangelizar, sem que haja um preparo e um comissionamento direto por Deus. É por isso que temos muitos “pastores e missionários” frustrados no ministério por não se sentirem realizados na missão. Será que eram as pessoas certas, no lugar certo pelas razões certas?

A igreja de Antioquia sabia da responsabilidade de se viver a missão como estilo de vida, e o fato de estarem alicerçadas na Palavra de Deus e de terem uma vida de oração e consagração ao Senhor, puderam corresponder ao chamado missionário da forma correta.

O texto nos diz que o Espírito Santo falou com eles, em resposta à sua busca ao Senhor da seara. Ele diz: “Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”. Você percebe a centralidade da missão? A obra é do Senhor e os comissionados são chamados para Ele. Esses, por sua vez, trabalharam na obra do Senhor e para o Senhor da obra: Separai-me”. Isto significa que a pessoa está sendo separada para uma missão que pertence ao que está chamando.

Barnabé e Saulo são separados pelo Espírito Santo para a missão do Senhor que a igreja de Antioquia estava comprometida. Isto não significa que os demais não poderiam evangelizar ou proclamar as boas novas de salvação; mas, que, especificamente para a missão de evangelização “até os confins da terra” apenas estes foram comissionados. Mas todos deveriam ser “suas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda Judéia e Samaria”.

UMA IGREJA MISSIONÁRIA CONFIRMA OS CHAMADOS POR DEUS [v.3].

Esta igreja não só era comprometida com a missão de pregar o evangelho como também tinha um comprometimento com aqueles que estão empenhados na obra do Senhor, sem de fato haver uma confirmação clara de sua vocação. O culto de ordenação mostra claramente que os missionários e a igreja estão unidos na obra de missões.

A igreja de Antioquia, por estar sensível à voz do Espírito Santo, confirma publicamente Barnabé e Saulo como missionários comissionados por Deus para a sua seara. O chamado para esta missão veio do Espírito Santo, a igreja reconheceu e confirmou o chamado divino.

Esses irmãos eram pessoas comprometidas com a obra do Senhor. Eram pessoas que tinham um estilo de vida de oração, testemunho e vida com Deus. Seu chamado só confirmou que esses eram de fato “trabalhadores” da seara que o Senhor enviara à igreja de Antioquia.

            Alguém disse que “Uma característica importante para discernir a vontade de Deus para o futuro é fazer a Sua vontade no presente”.

Muitos querem “ir” numa missão evangelizadora sem antes ter uma vida que corresponda a tal tarefa. Muitos são voluntários para viagens missionárias com intenção de proclamar as boas novas, sem antes conhecer de fato as boas novas e vive-las no contexto em que vive.

CONCLUSÃO

A igreja de Antioquia vivia uma dinâmica missionária como estilo de vida e sabia identificar aqueles que de fato eram chamados por Deus para a evangelização em expedições missionárias.

Esta igreja, por ser firmada na Palavra de Deus, conhecia muito bem o que era essencial para viver a missão da evangelização. Por ser comprometida com o Senhor da obra antes de se envolver com a obra do Senhor, ela sabia identificar os que eram de fato chamados pelo Espírito Santo para realizar a obra missional da evangelização.

A grande marca que essa igreja nos ensina ainda hoje é a sua devoção incondicional a Deus, na pessoa do Espírito Santo. Ele é quem move os corações para o cumprimento fiel da missão. Tudo para que Deus seja exaltado em todo tempo e lugar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s